Rodrigo Maia. No lugar errado, na hora errada.

Rodrigo Maia se apresenta como potencial candidato a presidente da república. É bom que tenha noção de que está no lugar errado e no momento errado.

Este é um ano em que há projetos polêmicos e impopulares a serem votados como é o caso da reforma da previdência. O presidente da câmara é quem decide a pauta, quando uma matéria será votada. A reforma da previdência é uma necessidade do país, mas quem estiver envolvido neste processo pode arcar com as consequências eleitorais. Como presidente da câmara, será lembrado como a pessoa que organizou a votação.  No lugar errado na hora errada.

Some-se a isso o fato de Rodrigo Maia ser filiado ao DEM, partido que se enfraqueceu ao longo do tempo e usualmente se coliga ao PSDB em eleições majoritárias. Não há chance de obter coligação com partidos significativos para uma campanha sustentável.  Mais uma vez, no lugar errado na hora errada.

Rodrigo Maia ainda, não é um nome com projeção nacional e desconhecido no maior estado, São Paulo. Quem não vence em São Paulo não se elege. Mais uma vez, no lugar errado na hora errada.

Rodrigo Maia pode estar se cacifando e cacifando o partido para um segundo turno ou cavando um acordo para algum ministério de destaque no novo governo.

O certo é que se insistir, Rodrigo Maia será o segundo Presidente da câmara e deixar a presidência e voltar para casa sem nenhum mandato. O primeiro, lembremos foi Henrique Eduardo Alves que concorreu ao governo do Rio Grande do Norte.

Rodrigo Maia precisa ter um melhor senso de tempo e espaço