Doria e o canto das sereias

Já me referi a João Doria neste blog como João Doriana uma vez que parece manteiga, tem cor de manteiga, mas é apenas margarina, ou seja, é marqueteiro e não administrador além de não ter palavra. Quem não tem palavra não tem credibilidade.

Está se mostrando um péssimo administrador da cidade que está abandonada. Já que não é capaz de administrar a cidade como se deve está privatizando o que pode para favorecer a iniciativa privada, em detrimento da população.

Vai agora entregar a cidade para Bruno Covas, seu vice, que já foi “transferido” da coordenação das prefeituras regionais por incompetência. Bruno será o Pitta de João Dória.

Estamos mal arrumados.

Para piorar a situação, Doria deve concorrer ao governo paulista, isso se não der outro tombo em Geraldo Alckmin para concorrer à presidência. De quem já se mostrou sem palavra ao descumprir a promessa de “prefeitar” durante 4 anos, espera-se tudo menos o bem.

O que me espanta é a adesão a sua candidatura por personalidades políticas do estado de São Paulo fechando os olhos para a conduta de Doria. OK! O PSDB não tem candidato viável ao governo de São Paulo. Vejam quem concorreu às prévias. Dispensa comentários.

Fica a ideia que, não tendo um candidato melhor para o PSDB manter a hegemonia no estado de São Paulo, Doria serve. Longe do ideal, mas serve.

O certo é que assim como não votei em Doria para prefeito, me orgulho disso, não votarei nele para governador, seja qual for seu adversário. Não voto em gente como ele.

Administrando a cidade, Doria cuidou dos seus interesses privados, viajou mais do que o papa. Governando o estado, será o mesmo mal em maior escala.

Afinal, para um marqueteiro, meia boca, que fazia desfile de cachorrinho em Campos do Jordão, apresentava um programa em emissora de TV de baixa audiência, de madrugada, dando traço de audiência, mas ganhava dinheiro vendendo espaço publicitário, vulgo jabá, João Dória já foi longe demais.

Chega, basta de pessoas falsas na política.